quarta-feira, 1 de junho de 2011

Mulher responsável pela bilhetagem do Metrô é presa por desviar R$ 50 mil

31/05/2011 - Correio Braziliense 


Uma mulher foi presa em flagrante durante a madrugada desta quarta-feira (1º/6) acusada de desviar cerca de R$ 50 mil da empresa Tacom - terceirizada responsável pela bilhetagem do metrô no Distrito Federal. De acordo com o delegado adjunto Leandro Giordani Ritt, da Delegacia de Repressão a Furtos (DRF), Arlene Gomes de Morais, 31 anos, desviava o dinheiro há mais de três meses, mas por uma falha da empresa o furto demorou a ser detectado.

“Ao fechar o caixa, Arlene contava todo o dinheiro e preenchia uma guia, que deveria ser anexada ao malote. No entanto, ela preenchia a guia com um valor e depositava no malote outro, inferior ao descrito”, disse o delegado. Ainda segundo Leandro Giordani, a delegacia foi acionada pelo Grupo Protege, responsável pelo transporte dos valores do metrô. "A falha acontecia porque o dinheiro só era conferido pela empresa cerca de dois dias após o recolhimento", completou.

O delegado afirmou que a prisão não aconteceu antes porque Arlene estava de atestado médico e retornou ao trabalho apenas no dia do flagrante, na terça (31/5). De todo o montante furtado, a polícia conseguiu recuperar R$ 4 mil, que seriam levados pela mulher no mesmo dia. Pouco mais de R$ 2 mil foi encontrados na casa da mulher e há uma quantia, ainda não estipulada, na conta do marido de Arlene, que será bloqueada.

A mulher foi indiciada por furto qualificado e presa em flagrante por abuso de confiança, de acordo com o delegado. Já o marido foi indiciado por receptação. Leandro Giordani ainda ressalta que Arlene utilizou parte do dinheiro roubado para reformar a casa, comprar móveis e pagar contas.

Metrô

Segundo o diretor financeiro e comercial do Metrô, Nilson Martorelli, a responsabilidade pelo rombo causado é da empresa Tacom. "A empresa é responsável por toda parte de venda de bilhetes e arrecadação [financeira], que deve ser repassada ao Metrô. Se ao final do mês há alguma diferença entre esses valores arrecadados, o dinheiro é abatido e quem paga é a Tacom", afirmou Martorelli.

O diretor ressalta que o sistema de arrecadação montado no Metrô está seguro e que há formas de detectar estes tipos de furtos. Ainda de acordo com Martorelli, a direção da empresa teve conhecimento da prisão de Arlene apenas na manhã desta quarta-feira (1º/6).

Tacom

O advogado da Tacom, Guilherme Andere, afirma que "havia uma percepção, pelos controles da empresa, de que estaria acontecendo um desvio de dinheiro". A partir deste momento, a polícia foi acionada. O advogado espera o final do inquérito policial para verificar se havia outras pessoas participando do desvio.

Andere confirmou que a responsabilidade, caso haja diferença nos valores arrecadados, é da Tacom. "Inclusive, isso está previsto no contrato", disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário