sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Metrô DF confirma início de operação com ATO em dezembro

16/11/2012 - Revista Ferroviária

O Metrô do Distrito Federal confirmou que irá iniciar, em modo experimental, as operações com o Automatic Train Operation (ATO) a partir de dezembro. O início da operação do novo sistema foi confirmado após a realização de testes com o ATO em dez trens, entre as estações Ceilândia, Samambaia e Feira do Guará. A operação com o sistema será nos ramais Ceilândia e Samambaia, de segunda-feira a sábado, das 9h30 às 16h30, e aos domingos, das 7h às 19h.

Segundo o Metrô DF, a implantação do ATO deve dar mais precisão na condução dos trens, nos intervalos e possibilitar aos condutores uma função de supervisão, atuando em situações estratégicas. O novo sistema também proporcionará alinhamento automático dos trens nas plataformas e abertura e fechamento automático das portas. Toda a operação será controlada pelo Centro de Controle Operacional (CCO).

Com o novo sistema de controle de trens, o metrô pretende reduzir os tempos de viagens com economia de 5% de energia e aumentar a eficiência na condução dos trens. Ainda está previsto mais um teste com o ATO em toda a via, em um domingo a ser definido pela companhia.


Enviado via iPhone

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Metrô - DF avalia positivamente testes do sistema automático dos trens

13/11/2012 - R7

Outro teste deve parar o funcionamento do metrô em data ainda não definida

Novo sistema reduzirá o tempo de viagem
créditos: Brito / GDF

No ultimo domingo (11), o Metrô-DF suspendeu a operação comercial para a realização de testes do ATO (Automatic Train Operation). A avaliação da equipe técnica foi positiva e todos os requisitos de segurança foram atendidos. Com esse resultado, ficou confirmada a expectativa de iniciar a operação com o novo sistema, em modo experimental, nos trechos Ceilândia e Samambaia, a partir de dezembro. Inicialmente, o ATO será utilizado, nesses trechos, nos horários de vale (9h30 às 16h30) e aos domingos.

Os testes foram realizados das 8h às 18h de forma ininterrupta entre as estações Ceilândia, Samambaia e Feira do Guará. Dez trens foram colocados em operação no modo ATO e uma equipe de técnicos do Metrô-DF e da Alston (fabricante dos trens) acompanhou toda a movimentação, a partir de pontos estratégicos: estações, trens e centro de controle.

O objetivo dos testes foi avaliar o sistema de forma dinâmica, ou seja, com vários trens em movimento no modo de operação automática. Os testes noturnos feitos até então só permitiam avaliar a operação com trens individualmente. Por isso, foi necessário um dia inteiro de testes. Mais um teste definitivo será realizado em toda a via, em data a ser definida pela Companhia.

O novo sistema dará mais precisão à condução dos trens. Com ele, os pilotos passam a ter uma função de supervisão, atuando em situações estratégicas. Assim, será possível, por exemplo, prever com precisão os intervalos entre os trens.

O ATO proporciona ainda o alinhamento automático dos trens nas plataformas de embarque, com a abertura e fechamento automático das portas. Tudo controlado pelo CCO (Centro de Controle Operacional), que tem uma visão geral de todo o sistema.

A ideia é reduzir o tempo de viagem com segurança e uma economia de energia de 5%, já que a operação padronizada alinhará a ação dos pilotos.


Enviado via iPhone

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

VLT que ligará Brasília ao município goiano de Luziânia ainda passará por estudos

07/11/2012 - Correio Braziliense

O diretor-superintendente da Sudeco, Marcelo Dourado, espera para esta semana o resultado da licitação que indicará a empresa vencedora para a realização dos estudos necessários à implantação veículo leve sobre trilhos (VLT), que ligará Brasília ao município goiano de Luziânia.

"Essa linha já existe, mas somente para o transporte de carga. Agora, vai ser para uso misto — carga e passageiros — e beneficiar um corredor chamado Entorno Sul, onde temos cerca de 600 mil pessoas que moram na região". Segundo ele, o investimento chegará no máximo a R$ 100 mil.

"Passará por Luziânia, Jardim Ingá, Cidade Ocidental e Valparaíso, em Goiás, e, no Distrito Federal, pelo Park Way, Núcleo Bandeirante, Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), Guará até a Rodoferroviária. É uma possibilidade concreta para desafogar o trânsito nessa região da Epia que, hoje, está totalmente congestionada para tentar evitar o caos", diz Dourado.

A aposta no transporte ferroviário não para aí. Marcelo Dourado afirma que a Sudeco está coordenando também projeto que ligará o Distrito Federal a Goiânia. "É um projeto audacioso e estratégico para o Centro-Oeste. Era uma ideia do ex-presidente Juscelino Kubitschek, em 1956." Segundo ele, 42 empresas, consorciadas ou não, manifestaram interesse em concorrer para a apresentação dos estudos iniciais.

"Estamos na fase de escolha e, possivelmente, até o fim deste ano, deveremos conhecer a empresa vencedora. Os estudos deverão levar de oito a 10 meses para serem concluídos. Acreditamos que as obras devem começar até o fim do próximo ano", adiante a superintendente da Sudeco.

Nesse caso, o projeto é mais complexo. Diferentemente da ligação Brasília/Luziânia, a estrada de ferro precisa ser implantada, o que exigirá um conjunto de licenças, entre elas a ambiental, de viabilidade econômica, o que demandará ais tempo. Superadas essas etapas, a implantação poderá começar. A estimativa é de que o investimento fique entre R$ 800 e R$ 900 milhões.

As duas obras terão forte impacto na mobilidade urbana e semiurbana do Entorno, a chamada grande região metropolitana de Brasília. A ligação Brasília/Goiânia tem importância estratégica para a economia para o eixo de ligação entre as duas capitais.

Por Rosane Garcia



Enviado via iPhone

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Metrô para a partir de segunda-feira no DF

02/11/2012 - R7

Metroviários entrarão em greve por tempo indeterminado

Os metroviários decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir da próxima segunda-feira (5). A decisão foi tomada em assembleia realizada na última quarta-feira (31).

Segundo o secretário de administração do Sindimetrô, Anderson Ferreira, os mil metroviários reivindicam realização de concurso público, arquivamento do projeto do GDF que prevê a parceria público-privada para gerenciar o serviço de transporte, cumprimento do acordo coletivo com 13 cláusulas e suspensão do processo administrativa aberto para investigar o caso facebook.

No início do ano, o Metrô abriu uma sindicância para apurar a autoria de publicações na rede social que dariam conta de como parar o sistema de transporte. Segundo as publicações, o metrô ficaria sobrecarregado se todos os trens funcionassem ao mesmo tempo.

Ainda de acordo com Ferreira, representantes do Sindimetrô se reuniram com o governo na última quinta-feira (25), onde teria sido acordado que o GDF assinaria um documento, se comprometendo em atender as reivindicações da categoria. Mas no dia seguinte, o GDF voltou atrás e não entregou o documento.

Se os metroviários decidirem pela greve, cerca de 150 mil pessoas que utilizam o transporte diariamente serão prejudicadas.



Enviado via iPhone