quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Defensoria Pública da União contesta plano de expansão do Metrô no DF

16/12/2015 -  G1 DF

A Defensoria Pública da União instaurou nesta segunda-feira (14) um processo administrativo contra o governo do Distrito Federal questionando a expansão das obras do Metrô em Ceilândia, Samambaia e na Asa Norte. Segundo o órgão, o projeto tem custo estimado em R$ 1 bilhão mas, enquanto isso, obras de cinco estações na Asa Sul e em Águas Claras seguem inacabadas. O governo tem 15 dias para responder aos questionamentos.

A Defensoria Pública afirma que, como os últimos projetos ficaram pela metade, não existe base de comparação para avaliar o contrato novo. Com isso, haveria margem para superfaturamento na obra, porque o Tribunal de Contas fica sem parâmetros para medir o impacto nos cofres públicos. O órgão também contesta a mudança de planos em relação ao Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que já tinha sido alvo de estudos anteriores.

A direção do Metrô afirmou à TV Globo nesta segunda que a conclusão das obras inacabadas depende da liberação de recursos e disse que os planos de expansão estão previstos em outra planilha de gastos. As contas são independentes, segundo a administração.

"Uma coisa não inviabiliza a outra, essas novas [obras] têm recursos garantidos, eu não posso tirar recursos dela para ir pras anteriores. Eu perderia completamente os recursos. Então, a gente tem que garantir aquilo que é certo, que é o da expansão, que já estava pactuado anteriormente", diz a diretora técnica do serviço, Daniela Diniz.

A depender das respostas apresentadas pelo GDF, a Defensoria Pública pode entrar com ação na Justiça pedindo "preferência" para as estações já iniciadas.

"Ele [o GDF] comete irresponsabilidade fiscal porque não pode ser iniciada uma nova obra sem, antes, terminar as que estão existentes. [...] O dinheiro público, por estar aqui parado, começa a se corroer. E, ao se corroer, o prejuízo é do cidadão", afirma o defensor público federal Kleber Vinícius Melo, autor dos questionamentos.

Pela metade

Cinco estações do Metrô que estavam em obras tiveram a construção interrompida e sofrem com o desgaste das estruturas inacabadas. São três na Asa Sul – nas quadras 104, 106 e 110 – e duas em Taguatinga, chamadas "Estrada Parque" e "Onoyama".

O Metrô diz aguardar a liberação de R$ 77 milhões em verbas federais para concluir as estações da Asa Sul. As de Taguatinga, segundo a companhia, dependem de parcerias com empresas privadas, que poderiam instalar lojas nas estações para garantir o retorno financeiro.


Linhas e estações do Metrô do Distrito Federal (Foto: Metrô-DF/Reprodução)
Linhas e estações do Metrô do Distrito Federal (Foto: Metrô-DF/Reprodução)
Em maio, o Metrô informou que esperava concluir, em 60 dias, o edital de licitação para terminar as três estações da Asa Sul. Entre as intervenções necessárias estão a finalização do acabamento, instalação de equipamentos e construção da passarela de pedestres ligando os Eixos W e L.

A assinatura da ordem de serviço, prevista para o segundo semestre deste ano, não ocorreu. As obras têm previsão de durar dois anos e, com isso, não há expectativa de operação nessas estações até, pelo menos, o início de 2018.

As paradas começaram a ser construídas junto com as demais, em 1991, mas não foram abertas na época por falta de demanda. A inauguração das três estações obedece a uma diretriz do Plano Diretor de Transporte Urbano.

Expansão

Enquanto esses projetos não saem do lugar, o governo planeja expansão do Metrô. Serão 6,6 quilômetros de trilhos em direção a duas novas estações em Ceilândia, duas em Samambaia e uma na Asa Norte. O custo previsto é de R$ 755 milhões, divididos entre os governos distrital e federal.

Atualmente, o Metrô do Distrito Federal tem 24 estações em operação e roda com 24 trens, transportando 150 mil passageiros diariamente. Em maio, a Câmara do DF aprovou projeto que autoriza o GDF a captar R$ 737,1 milhões para comprar 10 trens e aumentar a capacidade em até 100 mil passageiros.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Metrô-DF inaugura grandes projetos de publicidade

 14/12/2015 – Metrô-DF

Depois de inaugurada a fase de comercialização de espaços publicitários, a Companhia do Metropolitano do DF dá início aos projetos especiais de ações publicitárias, comerciais e de serviços nas estações do Metrô-DF. Duas campanhas do Ministério do Turismo, feitas por meio do adesivamento de 120,10 metros lineares da estação, chamam a atenção dos usuários. O mote é “Quer viver esta experiência de verdade? Viaje. Viva de Perto”.

O primeiro anúncio, instalado em 7 de dezembro (até 6/01), no túnel que dá acesso à estação pela Galeria do Trabalhador, reproduz o ambiente marítimo, com corais, peixes e tartarugas marinhas, dando a sensação de que o pedestre atravessa um túnel no fundo do mar. O segundo, que estará montado em 14 de dezembro (até 13/1), apresenta imagens de matas, cachoeiras e trilhas, que fazem um convite ao ecoturismo.

O metrô de Brasília iniciou, em 2015, a locação de espaços para publicidade e ações comerciais. Esses espaços para comercialização somam 400 painéis publicitários nas 24 estações em operação. E mais: 700 painéis laterais, 1.300 sancas e 260 cabeceiras no interior dos 29 trens, que viajam pelos 42 km de via. Diariamente, cerca de 150 mil consumidores circulam no Metrô-DF.